ALDAIR MELCHIORfernando classmannPPS miroPPRODRIGO BURKLEPTBPSBSindicato dos Trabalhadores nas Industrias da Alimentação de Santa RosaSIND SERV MUNICIPAISCredi Missões raths estetica automotivaeletron fortimobiliaria santa rosacentral do gás copa gazACADEMIA dragõesmecânica severoESCRITÓRIO ZIMMERMANNFlorence MotelCOLEGIO CONCORDIAoabamgsrSIND SERV MUNICIPAISAGRITECampliar assessoria atendimento pscicologicoposto royaleenphaseMetalurgica Marks
Como tratar a tendinite?
É preciso cautela no tratamento, diz especialista | Foto: Pixabay / Divulgação / CP
É preciso cautela no tratamento, diz especialista | Foto: Pixabay / Divulgação / CP
Conforme especialista, o tratamento deve sempre começar com medidas conservadoras

A tendinite é uma clássica lesão de sobrecarga ou conhecida por esforço repetitivo, que afeta um ou mais tendões, gerando muita dor, inflamação e até deformidades ósseas quando crônicas. É um problema comum entre pessoas que trabalham duro ou em atletas que aumentaram a intensidade ou mudaram o treinamento.

Os sintomas incluem dor ao mobilizar o pé e o tornozelo, principalmente ao longo do curso do tendão. Pode haver, além da inflamação (calor, rubor, edema e dor), formigamento, pontada ou fisgada, devido à inflamação do nervo que rodeia o tendão, esclarece Ana Paula Simões, que é professora instrutora da Irmandade da Santa Casa de Misericórdia de São Paulo e Mestre em Medicina, Ortopedia e Traumatologia. Ana Paula também é especialista em Medicina e Cirurgia do Pé e Tornozelo pela Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo. É Membro titular da Sociedade Brasileira de Ortopedia e Traumatologia; da Associação Brasileira de Medicina e Cirurgia do Tornozelo e Pé, da Sociedade Brasileira de Artroscopia e Traumatologia do Esporte; e da Sociedade Brasileira de Medicina do Esporte.

Conforme ela, na tendinopatia, termo que é geralmente utilizado para as lesões por sobrecarga do tendão, inicialmente, há irritação do revestimento externo do tendão. Isto é chamado peri ou paratendinite e conduz à sua degeneração, que faz com que o tendão se torne mais espesso. Ele torna-se mais fraco e perde a sua força (tendinose), o que pode levar a uma ruptura completa ou parcial.

A especialista explica que tipos anormais de pé (como o pé plano e cavo) e alterações no ciclo de marcha aumentam o risco de gerar uma tendinopatia. Pisada errada, encurtamentos e outras pequenas alterações, que já desequilibram a musculatura, podem gerar o processo degenerativo, por isso que uma avaliação ortopédica deve ser feita.

O tratamento deve sempre começar com medidas conservadoras, incluindo a proteção, repouso relativo, gelo, compressão e elevação, medicamentos anti-inflamatórios não esteróides e analgésicos estão indicados na fase aguda. Os exercícios de reabilitação envolvem um programa de alongamento e fortalecimento e deve ser iniciado precocemente. Nos casos graves, há um período de imobilização antes da terapia para acalmar a dor e a inflamação.

Muitas das terapias convencionais para tendinopatia falharam consistentemente em corrigir o processo degenerativo básico e muitos tratamentos novos estão sendo desenvolvidos. Esses incluem a terapia por ondas de choque extracorpóreas, a ablação por radiofrequência, tenotomia percutânea, injeção de fator de crescimento, proloterapia e nitratos tópicos. A eficácia desses tratamentos, de acordo com a especialista, está sendo investigada e, na literatura, ainda estão no nível de evidência.

Fonte CP

Pesquisar no site
kprixo lavagemRW AUTO SOM
CAZEARTES Palletsamgsr
mugicada paz
cine globo