escritorio chicoalvoradamantei advocaciaespaço petfema topoindumoveisCredi Missões eletron fortimobiliaria santa rosacentral do gás copa gazESCRITÓRIO ZIMMERMANNamgsrSIND SERV MUNICIPAISAGRITECampliar assessoria atendimento pscicologicoposto royaleenphase
STF suspende permissão para deputada receber denúncias contra professores
Decisão foi do ministro Edson Fachin | Foto: Carlos Moura / STF
Decisão foi do ministro Edson Fachin | Foto: Carlos Moura / STF
Fachin entendeu que medida “incita os alunos a se comportarem como agentes do Estado”

O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Edson Fachin suspendeu mnesta a decisão da Justiça de Santa Catarina que liberou a deputada estadual Ana Caroline Campagnolo (PSL) a manter nas redes sociais um canal de denúncias contra o comportamento de professores em sala de aula.

Fachin atendeu a um pedido de suspensão feito pelo Ministério Público com base na decisão da Corte, proferida em outubro, na qual os ministros entenderam que a manifestação do pensamento deve ser livre nas universidades.

Na decisão, o ministro disse que a deputada "incita os alunos a se comportarem como agentes do Estado", quando não cabe nem ao próprio Estado controlar as manifestações dos professores. "Ao conclamar os alunos a exercerem verdadeiro controle sobre manifestações de opinião de professores, a deputada transmite a ideia de que isso é lícito. Estimula-os, em consequência, a se sentirem legitimados a controlarem e a denunciarem manifestações político-partidárias ou ideológicas contrárias às suas", disse Fachin.

O caso começou no final do ano passado. Logo após o fim do segundo turno das eleições presidenciais, a deputada publicou em seu perfil do Facebook pedido para que estudantes filmem ou gravem “todas as manifestações político-partidárias ou ideológicas que humilhem ou ofendam sua liberdade de crença e consciência”.

Ana Caroline pediu ainda que os alunos “que sentirem seus direitos violados” usem gravadores ou câmeras para registrar o comportamento dos professores e denunciem a conduta por meio do envio dos vídeos e informações para determinado número informado em sua página pessoal.

Ao tomar conhecimento do fato, o Ministério Público recorreu à Justiça local para suspender a publicação. Em seguida, um juiz de primeira instância determinou a retirada imediata da manifestação das redes sociais. Inconformada com a decisão, a parlamentar recorreu da decisão e conseguiu a liberação da publicação.

A Agência Brasil não conseguiu contato com o gabinete da deputada e com sua assessoria para comentar a decisão.

Fonte CP

Pesquisar no site
kprixo lavagemRW AUTO SOM
CAZEARTES Palletsamgsr
mugicada paz
cine globo