Imb santa rosamiroAMGSRALDAIR MELCHIORppjeferson fernandesptbpsbpaulinhosindisaudesindicato dos servidores municipaisRODRIGO BURKLETODA HORAsindusconCLÍNICA DOM BOSCOSegato Pneucresolmecânica severoESCRITÓRIO ZIMMERMANNFlorence MotelCOLEGIO CONCORDIAoabamgsrSIND SERV MUNICIPAISAGRITECampliar assessoria atendimento pscicologicoposto royaleenphaseMetalurgica Marks
Surge acordo para aprovar regulamentação da Emenda 29
Deputado federal Osmar Terra acredita que a data mais provável para a votação será entre 10, 11 ou 12 de maio.
Deputado federal Osmar Terra acredita que a data mais provável para a votação será entre 10, 11 ou 12 de maio.
Terra acredita que a data mais provável para a votação será entre 10, 11 ou 12 de maio.

O deputado federal Osmar Terra (PMDB/RS) acompanhou o presidente da Comissão de Seguridade Social e Família, Saraiva Felipe (PMDB-MG), e outros integrantes da comissão em audiência com o presidente da Câmara, Marco Maia, quando foi informado que há um acordo com o governo para votar a proposta de regulamentação da Emenda Constitucional 29, que amplia os recursos para a área de saúde. O governo vai retirar do texto a criação da Contribuição Social para a Saúde (CSS), que seria cobrada nos moldes da extinta CPMF, com alíquota de 0,1% sobre as transações financeiras – depósitos, saques, transferências, etc.

Depois do encontro com Marco Maia, os integrantes da comissão procuraram o líder do governo, deputado Cândido Vaccarezza (PT-SP), para marcar a data de votação da proposta. Há 13 medidas provisórias trancando a pauta do Plenário e é preciso marcar uma sessão extraordinária para votar o projeto.

Terra acredita que a data mais provável para a votação será entre 10, 11 ou 12 de maio.

A Emenda 29 fixa os percentuais mínimos a serem gastos na saúde por estados, municípios e União. A regulamentação tramita sob a forma do Projeto de Lei Complementar (PLP) 306/08, do Senado. O texto principal da proposta foi aprovado pelo Plenário em 2008, mas a votação não foi concluída. Por falta de acordo, a proposta está parada no Plenário desde então.

De acordo com o texto aprovado, os estados deverão aplicar na saúde 12% da receita corrente bruta, e os municípios, 15%. O Distrito Federal deverá aplicar 12% ou 15%, conforme a receita seja originária de um imposto de base estadual ou municipal.

Pesquisar no site
kprixo lavagemRW AUTO SOM
CAZEARTES Palletsamgsr
mugicada paz
cine globo